Home ANAFISCO Rio fica em último lugar entre as capitais em ranking de gestão fiscal da Firjan

Rio fica em último lugar entre as capitais em ranking de gestão fiscal da Firjan

por ANAFISCO

A cidade do Rio apresentou o pior índice de gestão fiscal entre as capitais brasileiras avaliadas em 2020. O resultado é de um estudo da Firjan que analisou dados de mais de 5.200 municípios brasileiros.

 

Apesar dos recursos que entraram em caixa com a pandemia, os municípios do Rio tiveram dificuldade para gerir as contas em 2020. É o que diz o estudo divulgado nesta quinta-feira (21).

 

O indicador revela que mais da metade das cidades não conseguiu administrar bem os recursos públicos.

 

São muitos gastos e sobra pouco ou quase nada para alguns investimentos.

 

O estudo indica que os municípios fluminenses investiram apenas 2,7% do orçamento no ano passado. Um percentual bem inferior à média nacional, que foi de 7,1%.

 

“A gente teve um cenário também de investimentos muito fracos. Os municípios acabam gastando muito com pessoal e sobra pouco espaço para investimentos”, diz Jonathas Goulart, gerente de Estudos Econômicos da Firjan.

 

Rio fica em último lugar entre as capitais em ranking de gestão fiscal da Firjan — Foto: Reprodução/TV Globo

Rio fica em último lugar entre as capitais em ranking de gestão fiscal da Firjan — Foto: Reprodução/TV Globo

Sete em cada 10 cidades fluminenses apresentaram situação difícil ou crítica na gestão fiscal.

 

estudo analisou 77 dos 92 municípios do estado do Rio que informaram seus dados fiscais à Secretaria de Tesouro Nacional.

 

Os piores índices ficaram com Campos dos GoytacazesAperibéMangaratibaMagé e Guapimirim, que ocupa a última posição.

 

Já entre os municípios que tiveram a melhor situação fiscal no ano passado, Niterói é o primeiro. Seguido de Piraí, Itatiaia, Nova Iguaçu e Resende.

 

Redução do percentual de investimentos

Um dos piores indicadores do estado é o da capital. Segundo o estudo, o município do Rio está no vermelho. Entre as 77 cidades analisadas, o Rio ocupa a posição de número 70. Em 2020, a capital reduziu o percentual de investimentos e encerrou o ano com mais restos a pagar, ou seja, mais dívidas do que recursos em caixa.

 

A Firjan diz que, nos quatro últimos anos, houve falha no planejamento orçamentário porque a prefeitura terminou o ano devendo fornecedores e sem dinheiro em caixa.

 

Já faz um tempo que a cidade do Rio começou a despencar no ranking de gestão fiscal. De 2013 a 2015, o Rio estava bem colocado entre as capitais: em segundo lugar.

 

Em 2016, caiu para sétimo. E, em 2020, ficou em último.

 

“A cidade do Rio passou por um período de elevados investimentos. Então, teve todo um planejamento financeiro e culminou com um grande volume de investimentos, principalmente até quando nós tivemos, por exemplo, o período de Olimpíadas. Passado desse período, a gente percebe uma piora, sobretudo no planejamento do orçamento da cidade do Rio e cortes significativos de investimento. Foram anos seguidos de problema de planejamento orçamentário”, fala Jonathas.

 

Os especialistas acreditam num cenário melhor para os próximos anos.

 

“Se a gente fizer uma boa administração do orçamento, se fizer um bom planejamento financeiro e isso se transformar em investimento, isso certamente vai ver a melhora da cidade do Rio de Janeiro, que tem um potencial grande de crescimento. O Rio continua sendo o cartão postal do Brasil”.

 

O que dizem os envolvidos

A assessoria do ex-prefeito Marcelo Crivella alegou que os problemas financeiros do Rio são históricos e se agravaram muito por causa das dívidas assumidas com os jogos olímpicos.

 

E também atribuiu os problemas financeiros à crise mundial, que também afetou o Rio.

 

A atual gestão da Secretaria de Fazenda disse que os dados da pesquisa mostram que é necessário fazer ajustes que produzam efeitos rápidos e concretos nas contas públicas. E que trabalha deste o início do ano para reverter esse quadro.

 

Niterói lidera ranking

Niterói teve, pelo quinto ano consecutivo, a melhor gestão de finanças do estado.

 

“Em 2020, mesmo em um contexto de pandemia, conseguimos aportar recursos da educação, na saúde, e fechamos o ano com superávit de R$ 739.437.008,44”, afirmou a secretária municipal de Fazenda, Marilia Ortiz.

Fonte: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2021/10/21/rio-fica-em-ultimo-lugar-entre-as-capitais-em-ranking-de-gestao-fiscal-da-firjan.ghtml

Você também pode se interessar por

Deixar um Comentário