Home ANAFISCO Inovação na gestão pública: oportunidades e desafios

Inovação na gestão pública: oportunidades e desafios

por ANAFISCO

A adoção da inovação na gestão pública é um processo evidente nos dias de hoje. Podem-se observá-las na modernização de processos, gestão de recursos humanos, atendimento ao cidadão, controle de fluxos e resultados, estruturação organizacional, mensuração de resultados, entre outras áreas. Isso acontece a partir do uso de tecnologias associadas a transformações digitais, direcionados ao aperfeiçoamento da gestão.

Mas, afinal, o que é inovar?

Inovar é explorar novas ideias e possibilidades de forma bem-sucedida. Para uma empresa ou instituição, isso acontece quando a combinação de diferentes fatores propicia a criação ou aperfeiçoamento de processos, produtos, serviços, organização institucional etc. O novo é posto em prática, gerando mudanças intencionais.

Quando o assunto é administração pública, surge a necessidade de resolução de alguns desafios, chamados de ‘wicked problems’, cujas soluções fogem das conhecidas práticas burocráticas que permeiam o aparelho público, assim como da replicação de soluções aplicadas à iniciativa privada e que não se encaixam na realidade da gestão pública nacional.

Contudo, existem ainda entraves que perduram no dia a dia das instituições governamentais. Por isso, apesar do apoio ao novo ser de concordância geral no campo retórico, é difícil realizar a aplicação prática da inovação na gestão pública.

Entraves para a mudança

A adoção de práticas inovadoras demanda tempo, preparo e experimento. Da mesma maneira que não nos tornamos especialistas em um esporte só por que decidimos começar a praticá-lo, não viramos inovadores simplesmente pelo desejo de que assim seja.

Na gestão pública, é preciso que haja uma interação da equipe com novas práticas, ferramentas e abordagens ligadas à inovação organizacional. Isso pode acontecer a partir de cursos e treinamentos para o aprendizado de tecnologias recentes. Entretanto, há fatores limitantes neste sentido, como você pode observar a seguir.

• Falta de tempo

Muitas horas de trabalho não são sinônimo de resultados satisfatórios. Toda a equipe deve ter um ambiente aberto a novas possibilidades, ainda que este signifique apenas a aceitação de sugestões e compartilhamento de experiências. Só assim se consegue começar a inovar.

• Falta de oportunidades

Participar de cursos e eventos e se inteirar das novidades em relação a temas como tendências e tecnologias para a inovação organizacional é essencial para abrir a mente da equipe para ideias e projetos inovadores. Além disso, um líder ou gestor deve saber identificar servidores que são capazes de estar em projetos com resultados mais decisivos.

• Falta de colaboração

Não dá para cada membro se perder em suas próprias ideias e projetos de aceleração. Todos devem estar alinhados e, juntos, gerir seus conhecimentos e propostas individuais.

Um caminho sem volta

Existem aspectos internos que costumam contribuir para o surgimento de uma cultura inovadora nas organizações e, consequentemente, para o aumento do uso da tecnologia na gestão pública. Neste sentido, chama a atenção uma mudança que tem se estabelecido em corporações privadas e contagia os organismos públicos, de modo a promover uma transformação na cultural organizacional das instituições.

O objetivo é zelar pela participação coletiva e ouvir opiniões diversas, para se chegar a soluções inovadoras e resultados de impacto. Tanto é que passaram a ser criados núcleos específicos para isso dentro das próprias organizações. Incubadoras, fábricas de ideias e laboratórios de inovação são alguns dos nomes que estas unidades recebem. Sua finalidade, claro, é alcançar continuamente processos e resultados melhores para a instituição.

Soluções inovadoras

Falando em soluções inovadoras capazes de trazer impactos sobre a organização interna de uma instituição, o Ergon é um sistema de gestão de pessoas para o setor público capaz de gerar automaticamente a folha de pagamento, por meio de informações da vida funcional do colaborador. Utilizado por 7 estados e 5 capitais, integra sistemas do governo federal, como o eSocial.

Fonte: Grupo Editores do Blog.

Você também pode se interessar por

Deixar um Comentário