Home ANAFISCO As cidades mais inteligentes da América do Sul

As cidades mais inteligentes da América do Sul

por ANAFISCO

O Fórum Econômico Mundial faz anualmente um levantamento das cidades inteligentes mais inovadoras do mundo. Nesse caso, o índice aponta também qual o progresso de determinados municípios. Enquanto o continente asiático vem crescendo, a América Latina ainda não conseguiu ocupar um lugar de destaque efetivo quando se trata de atender à maioria dos índices de smart cities, levantados por outras organizações.

Repensando a avaliação de smart city

  • O Global Institute of Technology aponta que é preciso considerar os avanços sustentáveis de determinadas regiões, buscando recuperar o que foi desenvolvido de positivo mesmo nos países em desenvolvimento. Por exemplo, o próprio Brasil apresenta uma das maiores áreas verdes do mundo e precisa receber atenção, dada sua participação na COP 27 (Conferência de Mudanças Climáticas da ONU) este ano, que atribuiu ao planejamento urbano um peso importante no combate ao desastre climático.

Uma cidade inteligente no Brasil

Segundo o Connected Smart Cities Curitiba é uma das únicas cidades na América Latina a despontar como uma verdadeira cidade inteligente. Sua malha de transportes organizada de forma eficiente, os parques preservados e medidas ambientais fortes, transformou-se em um exemplo para outras cidades. Um outro projeto localizado no Ceará, conhecido como Smart City Laguna, chamou a atenção pelo intuito de oferecer planos urbanos ecológicos.

 Sendo assim, o Brasil pode ser uma futura potência no mercado de tecnologias inteligentes voltadas à integração urbana.

Quais metrópoles estão se desenvolvendo?

 Entre as principais cidades inteligentes da América Latina, estão:

  • Santiago: a capital chilena enfrenta um problema de poluição atmosférica que incentivou o desenvolvimento de um sistema de bicicletas compartilhadas, estímulo ao segmento de veículos elétricos e transportes coletivos verde.
  • Medellín: a tradicional cidade colombiana realizou uma verdadeira revolução quanto aos gastos públicos, com uma plataforma que estimula a população a escolher como devem gastar 5% do orçamento. As bibliotecas, espaços comunitários, rede de saúde pública de qualidade e fortalecimento da educação foram importantes na redução de homicídios, que caíram 80% de 1991 a 2010.
  • Buenos Aires: a capital da Argentina usa muita tecnologia baseada em inteligência artificial para monitorar o gasto de energia. Um acordo com o WhatsApp também mantém os cidadãos argentinos informados sobre determinadas ocorrências locais, reduzindo o risco de acidentes.

Você também pode se interessar por

Deixar um Comentário